3 benefícios da pulverização de lavouras com drones

Os drones, também conhecidos como Aeronaves Remotamente Pilotadas (RPA), Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas (RPAS) ou Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT), surgiram inicialmente para uso exclusivo de militares, mas, com o passar do tempo, foram ganhando espaço em diversos ramos, inclusive, na agricultura. Hoje, esses equipamentos se tornaram grandes aliados, não somente no registro de imagens e vídeos, mas, também, na pulverização de lavouras.

No Brasil, os primeiros drones utilizados para a pulverização de lavouras tinham um tanque de aproximadamente 10 litros e a capacidade de decolar com uma carga de cerca de 20 quilos, podendo voar por até 12 minutos. Os primeiros testes de pulverizações foram feitos em 2017, em Porto Alegre (RS). E a primeira aplicação real ocorreu em Pelotas (RS), com uso de um herbicida dessecante aplicado para plantio direto de soja e arroz.

Atualmente, o mercado já conta com muitas opções para os produtores rurais e cooperativas em todo o país. A seguir, confira neste artigo mais detalhes sobre o uso de drones no agronegócio, além dos benefícios e das vantagens da pulverização de lavouras, principalmente, de arroz, com esse tipo de tecnologia. Boa leitura!

Como funciona a pulverização de lavouras com drone?

O manejo de plantas daninhas, pragas e doenças exige do produtor de arroz elevado conhecimento agronômico e disciplina na execução para atingir o máximo da sua produtividade. Por isso, a busca pelos processos de pulverização com drones tem sido fundamental nesse tipo de cultura.

Antes de iniciar a aplicação de defensivos agrícolas, é necessária a realização de uma avaliação do alvo e do estágio da cultura. Em seguida, é preciso definir a ponta de pulverização que será utilizada, a forma do jato e a vazão adequada.

Os drones para pulverização de lavouras possuem sensores laterais e na frente, capazes de medir as variações do terreno. Além disso, também possuem algoritmos em seus sistemas, que permitem a liberação da quantidade correta de produto, na altura e velocidade ideais. Com um drone, por exemplo, é possível pulverizar até seis hectares por hora nos campos de arroz.

Quais são os benefícios da pulverização de lavouras com drone?

1 – Aplicação em áreas de difícil acesso

Essa é considerada a principal vantagem do uso de drones na pulverização, isso porque, com essa tecnologia, é possível acessar áreas com altas declividades ou terraços, nas encostas de morros, onde tratores ou aviões não conseguem chegar.

2 – Conforto e segurança do produtor

Além da maior velocidade de aplicação, o uso desta tecnologia reduz drasticamente o contato do produtor com as partículas tóxicas. Apesar disso, recomenda-se a contratação de profissionais especializados, que saibam manusear o produto e o equipamento, evitando, assim, a contaminação por vias aéreas ou pelo contato com a pele.

3 – Precisão na aplicação e redução de custos

Com o auxílio de drones de mapeamento e softwares, é possível pulverizar somente as áreas em que há real necessidade, proporcionando ao produtor um menor gasto com produtos, uma maior economia de combustível e, também, evitando a entrada de maquinários na lavoura.

De acordo com pesquisadores, o uso de drones na agricultura, pode gerar uma economia de até 50% na aplicação de insumos, além do maior controle de doenças e plantas daninhas e, consequentemente, aumentando a lucratividade do agricultor. Já para a engenheira agrônoma Alessandra Barreto, em matéria para o portal G1, afirma que os gastos com insumos que o produtor rural possui podem ser reduzidos em até 80% com o uso de drones na pulverização.

Regulamentação do uso de drones no Brasil

Desde abril de 2017, a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) regulamentou o uso dos drones, com a exigência de que o piloto tem mais de 18 anos e habilitação para os pilotos de equipamentos com mais de 25 kg.

Segundo o órgão, é proibido pilotar drones sobre pessoas, a não ser que elas tenham dado autorização para isso. Sem essa autorização, será preciso respeitar uma distância de 30 metros de pessoas, a única exceção são os órgãos de segurança pública. Em caso de descumprimento da regulamentação do uso de drones, o piloto poderá responder por processo administrativo, civil e criminal.

Conforme previsto pela regulamentação da ANAC, as aeronaves são subdivididas em 3 classes de acordo com o seu Peso Máximo de Decolagem (PMD). São elas:

– Classe 3: PMD de 250g a 25kg. Cadastro da aeronave junto ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL);

– Classe 2: PMD de 25kg a 150kg. Cadastro e homologação da aeronave, além de licença e habilitação do piloto remoto junto à ANAC.

– Classe 1: PMD acima de 150kg. Mesmo cadastro e homologação exigidos para a classe 2, mas analisado com mais rigor pela ANAC.

Drone de pulverização em Santa Catarina

Por meio do fornecimento de tecnologias de diagnóstico nutricional por imageamento aéreo e aplicação de defensivos agrícolas com drones, apoiados por plataforma digital, a Agrize é um startup especializada em pulverização de lavouras com drones adequado às normas da ANAC, entregando valor para os negócios de produtores e cooperativas de arroz.

Com a visão de transformar a agricultura através de uma estratégia de crescimento escalável e singular, a Agrize conta com profissionais especializados e preparados para operar os drones, de acordo com protocolos agronômicos próprios desenvolvidos para ampliar a eficiência e eficácia da aplicação. Na aplicação de defensivos agrícolas, garante a pulverização econômica, precisa, sustentável e capaz de aumentar a sua produtividade. Siga o LinkedIn da Agrize e continue acompanhando as novidades.

Deixe uma resposta